Eventos

É permitido aos três jogadores de frente saltar para bloquear a bola, porém só será considerado o bloqueio defensivo, sendo que o mesmo não é contado como toque, ou seja, mesmo a bola sendo tocada pelo bloqueio, ainda restará os 03 toques permitidos.

8 – FALTAS

Quando o mesmo jogador retiver a bola por mais de 4 (três) segundos.

Quando a equipe devolver a bola no primeiro toque.

Quando o jogador efetuar o sobre passo ao passar a bola, tolerando-se a movimentação necessária para deter o impulso do corpo, salvo exagero.

Quando o jogador der mais de 1 (um) passo, antes de fazer o passe do último arremesso para a quadra do adversário.

Quando o jogador tocar a rede, mesmo que esteja sem bola ou fora da jogada.

Quando um jogador tocar mais de uma vez na bola (sucessivamente) ou tirar a trajetória da mesma para depois defender.

Quando a bola tocar nas antenas da rede, será considerada bola fora.

Quando houver conduta indisciplinar ou não condizente com o esporte, conseqüentemente revertendo o ponto.

Os jogadores de defesa (fundo) não poderão efetuar a devolução para o campo adversário dentro da zona de ataque.

9 – SUBSTITUIÇÃO

Será livre desde que o jogador substituído ao efetuar uma nova substituição volte para a sua posição de origem.

10 – PERÍODOS DE TEMPO

Cada equipe terá o direito a 02 períodos de tempo de 60 segundos (hum minuto) por set e um descanso de 3 (três) minutos no intervalo de cada set.

11 – BANCO DE RESERVA

Poderão estar no banco os 06 (seis) jogadores reservas, técnico, auxiliar e massagista.

OBSERVAÇÃO

Lembramos da exigência, bem como da importância da apresentação de atestado médico por parte de todos os participantes desta modalidade.
• Responsável técnico da organização:
• Marcelo Camargo dos Santos
• E-mail: marcelo@ane.org.br
• Telefone para contato: 13-99773-1979/13.7803.6415.
• ID: 7*61738

ESPAÇO BRINQUEDOTECA

ESPAÇO BRINQUEDOTECA

Uma tenda esférica com área de 115m², o espaço oferece atividades, brincadeiras e vários brinquedos educativos com os monitores interagindo com as crianças.
BEACH TENIS , VÔLEI DE PRAIA E FUTVOLEI

BEACH TENIS , VÔLEI DE PRAIA E FUTVOLEI

Beach Tênis uma modalidade de esporte bem dinâmico jogado com raquetes especiais,porém
muito parecido em suas regras com tênis. Vôlei de Praia e Futevolei tradicionais das areias das praia.
FUTEBOL DE SABÃO

FUTEBOL DE SABÃO

Um campo oficial de futebol inflável de 20 m x 10 m para crianças jogarem e se divertirem e brincarem sem conseguir ficar de pé e tentar marcar um gol.
TOBOGÃ GIGANTE

TOBOGÃ GIGANTE

Um tobogã inflável de 8 metros de altura para adolescentes que escorregam com um tapete. Diversão começa na subida até chegar ao topo para iniciar a descida.
PALCO DE DANÇA

PALCO DE DANÇA

Palco com muita dança de vários estilos com realização de brincadeiras,gincanas e aulas.
CIRCUITO 7m X 7m

CIRCUITO 7m X 7m

Na tenda esférica com área de 115 m2 um brinquedo com varias passagens e subida, descida e um escorregador que termina numa piscina de bolinhas.

A arena funcionará entre os dias 10 de janeiro á 1 de fevereiro de 2015 na Praia do Centro (Parque do turísta) na cidade de Peruíbe. O horário de funcionamento será das 10h da manhã às 19h da noite com entrada franca.

A Arena Esporte e Cia Verão

A Arena Esporte e Cia Verão 2015 é uma realização é da Associação Sabiá, em parceria com a ANE, Associação Nacional de Esportes, com patrocínio da VIVO TUDO, UNIPAR CARBOCLORO   com base na Lei Paulista de Incentivo ao Esporte através da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Governo do Estado de São Paulo e apoio da TV Tribuna, portal Globo Esporte Santos e Região Sabesp, Scarlat e Prefeitura Municipal de Peruíbe. A promoção é da TV Tribuna filiada a Rede Globo de televisão.

A prática do Gerovôlei será regida pelas regras oficiais da CBV, salvo as exceções previstas neste documento. Clique aqui para acessar.
Art. 1 – EQUIPAMENTOS

A bola deverá ser a oficial aprovada pela CBV, para os jogos oficiais de voleibol, com uma calibragem de 2,5 lbs.

Art. 2 – PARTICIPANTES
Masculino e feminino:

Categoria de 50 anos: de 50 a 69 anos;

Categoria de 60 anos: de 60 a 79 anos;

Categoria de 70 anos: acima de 70 anos, sendo que nesta categoria poderão participar dois atletas com idade entre 40 anos a 69 anos, atuando como defensores, não podendo atacar nem sacar em hipótese alguma. Cada equipe poderá inscrever até 03 jogadores nestas condições, mas somente 02 em quadra, deverão estar vestindo uma camisa diferente dos outros jogadores.
Parágrafo Primeiro:
a) Poderão ser inscritos atletas de 60 a 69 anos na categoria de 50, e de 70 a 79 anos na categoria de 50 e 60 anos, ou seja, os da categoria acima podem “descer” mas os da categoria abaixo não podem “subir”.
b) Cada equipe poderá repetir até dois atletas para jogar em outra categoria, desde que seja de cima para baixo, destacando quem são os mesmos na ficha de inscrição.

Art. 3 – EQUIPE
a) Uma equipe deverá ser composta, no máximo, por 12 jogadores, um técnico, um auxiliar técnico e um massagista;
b) As inscrições de atletas ou substituições do mesmo, poderão ocorrer durante o campeonato, desde que o atleta substituído, não seja jogador de outra equipe participante do torneio, ou seja, o atleta que sair de uma determinada equipe, não poderá participar do mesmo campeonato.

Art. 4 – DURAÇÃO DE CADA SET
Um SET é ganho pela equipe que primeiro atingir 15 pontos, com uma vantagem mínima de dois pontos em relação à equipe adversária. Em caso de empate em 14 pontos, o jogo continua, até que dois pontos de vantagem sejam conquistados, finalizando em 17 pontos marcados, ou seja, 17 a 15 ou 17 a 16.

Art. 5 – DURAÇÃO DO JOGO
A equipe vencedora é aquela que ganha dois SETS numa disputa de três SETS.

Art. 6 – DESISTÊNCIA E EQUIPE INCOMPLETA
a) Se uma equipe recusar-se a jogar, após ser convocada, será declarada desistente e perde o direito de jogar, com o resultado final de W.O., de 0x2 para o jogo e 0x15 para cada SET e menos 01 ponto na classificação geral;
b) A equipe que, sem uma razão justificável, não estiver presente na quadra de jogo, em até 15 minutos após o horário determinado para o início da partida, será declarada ausente, sofrendo a mesma penalidade da alínea a) acima;
c) A equipe que for declarada incompleta para um SET ou um jogo perde o SET ou o jogo. Serão atribuídos pontos à equipe adversária, ou os pontos e os sets necessários para vencer o SET ou o jogo. A equipe incompleta permanece com os seus pontos e SETs que conquistou no torneio.

Art. 7 – SUBSTITUIÇÕES
a) Em cada SET, um jogador da formação inicial pode deixar o jogo e retornar, livremente para a mesma posição inicial;
b) Um jogador substituto pode entrar no jogo, quantas vezes for necessário em cada set, no lugar de um jogador da formação inicial, mas ele só poderá ser substituído pelo mesmo jogador a quem substituiu;
c) Quando um jogador se lesione e não possa continuar jogando, deverá ser substituído normalmente. Caso isso não seja possível, a equipe é autorizada a fazer uma substituição EXCEPCIONAL;
d) A substituição EXCEPCIONAL significa que qualquer jogador que não esteja na quadra de jogo no momento da contusão, poderá substituir o jogador machucado. Não é permitido ao jogador lesionado retornar ao jogo;
e) Um jogador EXPULSO ou DESQUALlFICADO deve ser substituído, respeitando-se os procedimentos de uma substituição normal. Caso isto não seja possível, a equipe é declarada “INCOMPLETA”.

Art. 8 – TOQUES DA EQUIPE
a) Será considerado toque quando o jogador receber, passar a bola, tocar, golpear, segurar, encaixar com uma, ou as duas mãos, ou a bola tocar qualquer parte de seu corpo;
b) Quando 2 (dois) jogadores segurarem juntos a bola será considerado um toque de cada um;
c) Cada equipe tem o direito de tocar, no máximo, 03 vezes na bola (além do toque de bloqueio que é ofensivo) para retorná-Ia à equipe adversária. Caso haja um número maior de toques, a equipe comete uma falta de “QUATRO TOQUES”;
d) Não é permitido, devolver a bola ao adversário no primeiro toque, a não ser que seja sem intenção, por exemplo uma bola rebatida fortemente que volte para a quadra do adversário;
e) Os toques da equipe incluem não somente os toques intencionais, mas também os contatos não intencionais com a bola;
f) A bola pode tocar várias partes do corpo, na condição de que estes contatos ocorram simultaneamente.

Art. 9 – PASSE, ATAQUE E DEFESA
a) No passe ou no ataque será permitido dar apenas 01 (hum) passo completo antes de soltar a bola. Na defesa é permitida a movimentação necessária para deter o impulso do corpo, salvo exagero perceptível;
b) Para a interceptação da bola é permitido usar apenas uma das mãos ou ambas as mãos simultânea ou sucessivamente, ou uma das mãos e qualquer parte do corpo do jogador interceptador, também simultânea ou sucessivamente sendo lícito segurar ou encaixar a bola;
c) O pipocar da bola é permitido na primeira bola de ataque ou saque, enquanto o mesmo estiver andando ou deslocando-se para manter o equilíbrio;
d) Um atacante posicionado dentro da zona de ataque, pode executar uma largada, direcionada à zona de defesa adversária, somente sem pular – mantendo pelo menos um dos pés em contato com o piso da quadra.
e) Quando o atacante der um saltito ou pular, ele só poderá efetuar a largada dentro da zona de ataque adversária, cruzando a bola na frente, ou seja, do lado oposto no qual ele esteja posicionado. O normal do ataque com saltito ou pulado é a finalização com a bola batida atrás da linha dos 3 metros da quadra adversária.

Art. 10 – INVASÃO POR BAIXO DA REDE
a) É permitido ao jogador invadir o espaço aéreo do adversário por baixo da rede, com a condição de não interferir na ação de jogo do adversário;
b) É permitida a invasão na quadra adversária com o(s) pé(s) ou a(s) mão(s), na condição de que partes deste pé(s) e/ou mão(s) permaneça(m) em contato direto com a linha central ou tenha(m) a projeção sobre a mesma;
c) O contato de qualquer outra parte do corpo com a quadra adversária é proibido.
d) Um jogador somente pode entrar na quadra adversária a partir do momento em que a bola estiver “fora de jogo”.

Art. 11 – SAQUE
a) A bola poderá ser empurrada, arremessada ou golpeada com uma das mãos abaixo do nível do ombro utilizando todo o fundo de quadra ou será permitido um chute para iniciar o jogo;
b) O movimento para o saque deverá ser de baixo para cima ou lateral, desde que o braço do executor não ultrapasse a linha dos ombros. Em caso do chute a bola deverá sair das mãos do atleta e não chute de bola parada.

Art. 12 – INFRAÇÕES
a) Quando o mesmo atleta der 2 (dois) toques consecutivos;
b) Quando o atleta der mais de um passo, antes de fazer o passe ou o último arremesso para a quadra do adversário;
c) Quando o atleta andar (tirar o pé de apoio do solo) ao receber a bola, tolerando-se a movimentação necessária para manter o equilíbrio do corpo. Entenda-se como pé de apoio aquele que for mantido em contato com o solo após a recepção da bola. Por exemplo: quando o atleta estiver com os dois pés no solo no momento em que receber a bola, a movimentação para trás ou para frente é que irá definir o pé de apoio;
d) Quando o atleta tocar o bordo superior da rede;
e) Quando o atleta se apoiar na rede simultaneamente ao jogar ou golpear a bola;
f) Quando o jogador, colocado na posição de defesa, saltar para passar a bola para o campo adversário, estando na zona de ataque;
g) Quando o atleta, após estar de posse de bola, não realizar um passe ou ataque em um tempo máximo de 5 (cinco) segundos;
h) Quando o atleta “enterrar” a bola dentro dos 3 (três) metros (zona de ataque) da quadra do adversário, independentemente da bola ir direto ao solo ou tocar no adversário. Entenda-se como “enterrar” a bola quando efetuar o golpe de ataque com a bola estando dentro do espaço de jogo do adversário;
i) Quando o atleta invadir a linha central da quadra, conforme definido no art. 10 acima;
j) Não será permitido o “pipocar” quando o atleta estiver parado (estabilizado) na quadra em condições de segurar a bola. Somente será permitido o “pipocar” quando o atleta estiver tentando recuperar a bola definitivamente;
k) Quando houver ações as quais obstruam uma tentativa legítima de um adversário jogar a bola;
l) Quando houver conduta indisciplinar ou não condizente com o esporte, por parte de um jogador, integrante da comissão técnica e ou da área médica, ocorrerá a aplicação da escala de punição prevista nas regras oficiais.
m) Quando o atleta na zona de ataque utilizar-se do recurso da ameaça. Considerar-se-á ameaça quando o atleta executar movimentos, acima da linha dos ombros, visando confundir a direção de lançamento da bola;
n) Não será aceito nenhum tipo de adaptação no solado dos calçados, bem como quaisquer tipos de luvas ou acessórios nas mãos;

Art. 13 – TEMPOS E SUBSTITUIÇÕES
a) Cada equipe terá o direito a um pedido de descanso de 1 (um) minuto em cada set;
b) Entre um set e outro o tempo de intervalo será de 03 (três) minutos;
c) Não haverá tempo técnico;
d) No momento da solicitação da substituição, o(s) jogador(es) substituto(s) deve(m) estar pronto(s) para entrar na quadra de jogo, permanecendo próximo da área de substituição. Se esta condição não ocorrer, a substituição não é concedida e a equipe é sancionada por um retardamento de jogo;
e) Se uma equipe deseja realizar, simultaneamente, mais de uma substituição, o número de substituições deverá ser sinalizado, no momento da solicitação. Neste caso, as substituições devem ser sucessivas, um par de jogadores a cada vez.

Art. 14 – CONDUTAS IMPRÓPRIAS E SUAS SANÇÕES
Parágrafo Primeiro – Condutas impróprias menores:
Condutas impróprias menores não estão sujeitas a sanções. É dever do primeiro árbitro evitar que as equipes se aproximem do nível de sanção.
Este dever é executado em dois estágios:
a) Estágio 1: Com uma advertência verbal, através do capitão da equipe;
b) Estágio 2: Utilizando-se de um CARTÃO AMARELO direcionado a um membro da equipe. Esta advertência não é considerada uma sanção, mas sim um alerta de que o membro advertido (e, por extensão, a sua equipe) alcançou o nível de sanção naquela partida. Não há qualquer consequência imediata, entretanto, deve ser registrada na súmula.

Parágrafo Segundo – Cartões de sanção:
Resumo de condutas impróprias e cartões a serem utilizados:
a) Estágio 1: Não há sanção – advertência por meio verbal;
b) Estágio 2: Não há sanção – advertência por meio de cartão amarelo.
Penalidade: sanção – cartão vermelho;
Expulsão: sanção – cartões vermelhos e amarelo juntos;
Desqualificação: sanção – cartões vermelho e amarelo separados.
As condutas rudes, ofensivas e agressivas independem dos estágios acima e deverão seguir os trâmites previstos:
– Conduta rude: penalidade, sem necessidade de qualquer advertência;
– Conduta ofensiva: expulsão sem necessidade de quaisquer outras atitudes anteriores;
– Conduta agressiva: desqualificação, sem necessidade de quaisquer outras atitudes.

Elaborado pela comissão de voleibol da CBEATI
Roberto Fonseca
Veronick Nascimento
Jorge Fonseca
Lourenço Gonçalves

Aprovado pelo presidente da CBEATI
Tarcísio Almeida

Translate »